"A leitura do mundo precede a leitura da palavra." "Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem." "Língua Gosto de sentir a minha língua roçar A língua de Luís de Camões Gosto de ser e de estar E quero me dedicar A criar confusões de prosódias E uma profusão de paródias Que encurtem dores E furtem cores como camaleões Gosto do Pessoa na pessoa Da rosa no Rosa E sei que a poesia está para a prosa Assim como o amor está para a amizade (...)"

sábado, 12 de novembro de 2011

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS

EDITORIAL

A MISÉRIA É DE TODOS NÓS

Como entender a resistência da miséria no Brasil, uma chaga social que remonta aos primórdios da colonização? No decorrer das últimas décadas, enquanto a miséria se mantinha mais ou menos do mesmo tamanho, todos os indicadores sociais brasileiros melhoraram. Há mais crianças em idade escolar freqüentando aulas atualmente do que em qualquer outro período da nossa história. As taxas de analfabetismo e mortalidade infantil também são as menores desde que se passou a registrá-las nacionalmente. O Brasil figura entre as dez nações de economia mais forte do mundo. No campo diplomático, começa a exercitar seus músculos. Vem firmando uma positiva liderança política regional na América Latina, ao mesmo tempo em que atrai a simpatia do Terceiro Mundo por ter se tornado um forte oponente das injustas políticas de comércio dos países ricos.
Apesar de todos esses avanços, a miséria resiste.
Embora em algumas de suas ocorrências, especialmente na zona rural, esteja confinada a bolsões invisíveis aos olhos dos brasileiros mais bem posicionados na escala social, a miséria é onipresente. Nas grandes cidades, com aterrorizante freqüência, ela atravessa o fosso social profundo e se manifesta de forma violenta. A mais assustadora dessas manifestações é a criminalidade, que, se não tem na pobreza sua única causa, certamente em razão dela se tornou mais disseminada e cruel. Explicar a resistência da pobreza extrema entre milhões de habitantes não é uma empreitada simples.

José Carlos Marques, diretor editorial. Veja, ed. 1735. 22/10/2008. Ano 31.
Vocabulário:
Chaga ferida aberta
Onipresente - Que está ao mesmo tempo em toda a parte

1- Marque a opção que JUSTIFIQUE o título dado ao texto: “A miséria é de todos nós”.

a) A miséria abrange grande parte de nossa população.
b) A miséria é culpa da classe dominada.

c) Todos os governantes colaboraram para a miséria comum.
d) A miséria deve ser preocupação de todos nós.

 RESPOSTA: D

Releia a primeira pergunta:

“Como entender a resistência da miséria no Brasil, uma chaga social que remonta aos primórdios da colonização?”
2- Sobre esse questionamento pode-se AFIRMAR que

a) tem sua resposta dada no último parágrafo.
b) representa o tema central de todo o texto.
c) é só uma motivação para a leitura do texto.
d) é uma pergunta vazia, à qual não cabe resposta.

RESPOSTA: B

3- Após a leitura do texto, só NÃO se pode AFIRMAR que a miséria no Brasil

a) é culpa dos governos recentes, apesar de seu trabalho produtivo em outras áreas.

b) tem manifestações violentas, como a criminalidade nas grandes cidades.

c) atinge milhões de habitantes, embora alguns deles não apareçam para a classe dominante.

d) tem razões históricas e se mantém em níveis estáveis nas últimas décadas.

RESPOSTA: A

4- Releia o trecho: “No campo diplomático, começa a exercitar seus músculos”.
Com essa oração, o autor AFIRMA que o Brasil

a) já está suficientemente forte para começar a exercer sua liderança na América Latina.


b) já mostra que é mais forte que seus países vizinhos.


c) está iniciando seu trabalho diplomático a fim de marcar presença no cenário exterior.


d) pretende mostrar ao mundo e aos países vizinhos que já é suficientemente forte para tornar-se líder.


RESPOSTA: C


5- Assinale a alternativa em que essa equivalência de sentido, segundo o texto 1, é feita de forma INCORRETA.


a) não é uma preocupação geral = é uma preocupação superficial.


b) não é uma pessoa apática = é uma pessoa dinâmica.


c) não é uma questão vital = é uma questão sem importância.


d) não é um problema universal = é um problema particular.


RESPOSTA: A


Releia os trechos a seguir:
“Apesar de todos esses avanços, a miséria resiste.”

“Embora em algumas de suas ocorrências, especialmente na zona rural, esteja confinada a bolsões invisíveis aos olhos dos brasileiros mais bem posicionados na escala social, a miséria é onipresente”.
6- Assinale a alternativa que identifica CORRETAMENTE a relação estabelecida pelos conectores entre as orações dos enunciados acima.
a) Concessiva e condicional.
b) Explicativa e concessiva.
c) Concessiva e concessiva.
d) Conformativa e concessiva.
RESPOSTA: C
7-  Foi empregada uma figura de construção na frase frase abaixo pela omissão de uma expressão:

”Francisco era apaixonado pelo canto, e eu, pela dança. “

Assinale a alternativa que apresenta o nome dessa figura de construção e a expressão que foi omitida:

a)      Catacrese / dança

b)      Elipse / era apaixonado

c)       Catacrese / apaixonado

d)      Elipse / era

Nenhum comentário:

Postar um comentário