"A leitura do mundo precede a leitura da palavra." "Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem." "Língua Gosto de sentir a minha língua roçar A língua de Luís de Camões Gosto de ser e de estar E quero me dedicar A criar confusões de prosódias E uma profusão de paródias Que encurtem dores E furtem cores como camaleões Gosto do Pessoa na pessoa Da rosa no Rosa E sei que a poesia está para a prosa Assim como o amor está para a amizade (...)"

sexta-feira, 18 de junho de 2010

José Saramago morre aos 87 anos

O escritor português e Prêmio Nobel de Literatura José Saramago morreu nesta sexta-feira (18/06/10) em sua casa em Lanzarote (Ilhas Canárias) aos 87 anos, informaram à Agência Efe fontes da sua família.
 A morte ocorreu por volta das 13h no horário local (8h de Brasília), quando o escritor estava em casa, acompanhado da mulher e tradutora, Pilar del Río.
Antes de dedicar-se à literatura, Saramago exerceu funções como serralheiro, mecânico, editor e jornalista, mas foi em 1947 que tornou realidade seu sonho de ser escritor, publicando o romance "Terra do pecado".


Filiado ao Partido Comunista Português desde 1969, entre 1966 e 1975, e após um longo silêncio, publicou as obras poemáticas "Poemas Possíveis", "Provavelmente alegria" e "O ano de 1993".
Após várias romances e textos teatrais, em 1982 conquistou notoriedade internacional com "Memorial do convento", um prestígio que consolidou com títulos como "A balsa de pedra" (1986), a peça teatral "A segunda vida de Francisco de Assis" (1987), "História do Cerco de Lisboa" (1989) e "O Evangelho segundo Jesus Cristo" (1991).

Desde 1993, vive na ilha canária de Lanzarote e, após publicar sua quarta obra de teatro, "In nomine Dei", foi aceito no Parlamento Internacional de Escritores.
Ganhador do Prêmio Camões em 1995, nesse mesmo ano iniciou a trilogia formada por "Ensaio sobre a cegueira", "Todos os nomes" e "Ensaio sobre a lucidez".

Em 2008, criou o blog "O caderno", e no ano passado apresentou seu último romance, "Caim".

O ano 1995 foi especial para ele, com a obtenção do Prêmio Camões ao conjunto de sua obra e a publicação do "Ensaio sobre a Cegueira", primeira obra de sua trilogia sobre a identidade do indivíduo, que continuou com "Todos os nomes" (1998) e fechou com "Ensaio sobre a lucidez" (2004).
O primeiro volume da trilogia foi levado ao cinema em 2008 pelo diretor brasileiro Fernando Meirelles, que no Brasil ganhou o mesmo nome do título original, "Ensaio sobre a Cegueira".

Embora também dizia que "chegará o dia em que se acabarão as ideias, e nada iria ocorrer".
Fruto dessa urgência escreveu os romances "A caverna" (2000); "O homem duplicado" (2002); "As Intermitências da Morte" (2005); "As Pequenas Memórias" (2006); "A viagem do elefante" (2008); e "Caim" (2009), seu último romance.
Entre suas obras figuram também os autobiográficos "Cadernos de Lanzarote I e II" (1997 e 2001).
Saramago era consciente do poder que tinha a internet para divulgar qualquer ideia, e em setembro de 2008 criou um blog, intitulado "O caderno". Foi "um espaço pessoal na página infinita de internet", segundo suas palavras.

A morte o surpreendeu quando preparava um romance sobre a indústria do armamento e a ausência de greves neste setor, ou pelo menos essa era a ideia que queria desenvolver, como disse quando apresentou "Caim" em novembro de 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário