"A leitura do mundo precede a leitura da palavra." "Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem." "Língua Gosto de sentir a minha língua roçar A língua de Luís de Camões Gosto de ser e de estar E quero me dedicar A criar confusões de prosódias E uma profusão de paródias Que encurtem dores E furtem cores como camaleões Gosto do Pessoa na pessoa Da rosa no Rosa E sei que a poesia está para a prosa Assim como o amor está para a amizade (...)"

sábado, 22 de maio de 2010

"Onde" sempre se refere a lugar

A palavra "onde", na maior parte das vezes, é um advérbio de lugar - na verdade, um advérbio interrogativo de lugar. Assim, aparece nas interrogações (diretas e indiretas) do tipo "Onde você estava ontem à noite?" (direta) ou "Gostaria de saber onde você estava ontem à noite" (indireta).

Ocorre que há situações nas quais o "onde" funciona como pronome relativo. Nesses casos, o termo tem um antecedente. Este deve ser representado ou por um advérbio de lugar ("Lá, onde não mora ninguém...") ou por um substantivo que se refira a lugar ("Na casa onde morava...", "O país onde nasceu..." etc.).

"Em fevereiro, onde houve menos falhas no fornecimento da Coelba, o valor a ser descontado, a partir de maio, será..."

Na frase em questão o antecedente do "onde" é o nome de um mês, uma referencial temporal. Claro fica que o "onde" está mal empregado nesse caso. Uma opção é usar o "quando", também funcionando como pronome relativo. Assim:

Em fevereiro, quando houve menos falhas no fornecimento da Coelba, o valor a ser descontado, a partir de maio, será...

Também seria possível criar um aposto (usando a palavra "mês") seguido da preposição "em" e do pronome "que". Assim:

Em fevereiro, mês em que houve menos falhas no fornecimento da Coelba, o valor a ser descontado, a partir de maio, será...

Nenhum comentário:

Postar um comentário